Hollywood Forever TV
Twitter Hollywood Forever TVYoutube Hollywood Forever TVInstagram Hollywood Forever TV

As atrocidades de Ghislaine Maxwell, finalmente condenada no caso Jeffrey Epstein

Ghislaine Maxwell foi condenada pelos crimes cometidos em parceria com Jeffrey Epstein. Saiba mais sobre as atrocidades e a vida da socialite

@nicolybastos_| Publicado em 30/06/2022, às 17h13 - Atualizado às 17h30

As atrocidades de Ghislaine Maxwell, finalmente condenada no caso Jeffrey Epstein - Reprodução
As atrocidades de Ghislaine Maxwell, finalmente condenada no caso Jeffrey Epstein - Reprodução

Ghislaine Maxwell foi condenada a passar 20 anos atrás das grades depois que um júri a considerou culpada em dezembro por tráfico sexual de menores para o bilionário consultor financeiro Jeffrey Epstein, que se suicidou na prisão em 2019 enquanto aguardava ser julgado por este crime.

A condenação acabou sendo menor do que a pena de 30 a 55 anos pedida pela promotoria por sua "responsabilidade" no tráfico de menores e pela "falta total de arrependimento" após recrutar entre 1994 e 2004 menores de idade para serem exploradas sexualmente por Epstein.

Joan Playle, a parente distante de Emma Watson que foi condenada por bruxaria

As acusações contra Maxwell são tão chocantes - aliciamento e tráfico sexual de meninas para abuso pelo financista pedófilo Jeffrey Epstein - é tentador procurar uma explicação em sua infância disfuncional. HFTV adentra a vida de Ghislaine, trazendo mais sobre sua infância, vida luxuosa e, por fim, atrocidades.

Confira!

Quem foi Ghislaine Maxwell?

Ghislaine Maxwell nasceu no Natal de 1961. Três dias depois, um carro que transportava seu irmão de 15 anos, Michael, colidiu com um caminhão ao longo de uma estrada nebulosa de Oxfordshire. Michael Maxwell passaria os sete anos restantes de sua vida em coma.

Embora ela tenha nascido em abundância material - seu pai era o magnata editorial Robert Maxwell - por todos os relatos, os primeiros anos de Ghislaine Maxwell foram desfigurados por ampla negligência emocional. Betty, sua mãe, mais tarde admitiu que, após o acidente de Michael, o bebê "dificilmente recebeu um olhar amigável" de seus pais devastados.

Um dia em 1965, segundo Betty, Ghislaine Maxwell, de três anos, parou na frente dela e declarou: "Mamãe, eu existo". Betty também acreditava que a criança desenvolveu anorexia.

E embora ela nunca tenha sido poupada do abuso e da raiva que seu pai infligiria a cada um de seus filhos, já que era conhecido por ser um homem bem raivoso, ela logo emergiria como sua favorita. 

Maxwell foi criada em Headington Hill Hall, uma vasta mansão italiana com vista para Oxford, no Reino Unido. Ao longo da infância de Ghislaine, festas luxuosas foram organizadas no local, com a presença de políticos, celebridades e grandes nomes da mídia. E depois que os VIPs deixavam o prédio, era um lugar difícil emocionalmente para crescer.

Muito se acredita que a pequena era, assim como os outros filhos de seu pai, abusada tanto física quanto verbalmente. Eles seriam interrogados na mesa de jantar sobre geopolítica ou seus planos para o futuro e reduzidos às lágrimas se ele considerasse suas respostas insatisfatórias. "Ele nos batia com um cinto - meninas e meninos", outro filho de Robert, Ian, disse em entrevista.

Ghislaine Maxwell e o pai
Ghislaine Maxwell e o pai - Reprodução

Assassinato e psicopatia: o passado obscuro do empresário de Elvis Presley

Apesar de sua favorita, Ghislaine Maxwell não ficou imune. Mas enquanto alguns de seus irmãos se retraíram ou se rebelaram, ela estava sempre ansiosa para agradar seu pai - chegou a dizer em uma entrevista realizada em 2000 que ele era um pai "inspirador" - e se dedicou a mantê-lo feliz. 

Uma vida de poder

"Estava muito claro para mim, mesmo na graduação, que ela estava interessada em poder e dinheiro", diz a escritora Anna Pasternak, que foi contemporânea em Oxford e frequentava os mesmos círculos sociais. "Ela era uma daquelas pessoas em festas que sempre olhava por cima do ombro para ver se havia alguém mais poderoso ou mais interessante."

Depois de se formar, o pai de Maxwell a nomeou diretora do Oxford United, o clube de futebol que ele possuía e presidia. Ela também começou a namorar o Conde Gianfranco Cicogna, um aristocrata italiano.

Ela também fundou uma espécie de clube privado exclusivamente para mulheres. Pasternak compareceu em algumas ocasiões e, embora a ideia parecesse inovadora na época, ela considerou Maxwell uma improvável defensora feminista.

Minha lembrança é que ela era um pouco charmosa com outras mulheres, mas não me lembro dela ser amiga muito próxima de outra mulher”, diz Pasternak. "Eu acho que as mulheres não eram realmente importantes para ela - apenas como um meio de chegar a outro homem poderoso."

Em novembro daquele ano, seu mundo virou de cabeça para baixo. Seu pai desapareceu do convés do Lady Ghislaine nas Ilhas Canárias e seu corpo foi encontrado mais tarde flutuando no mar.

Mamãe Morta e Querida: a saga brutal de Dee Dee e Gypsy Rose

Ghislaine Maxwell voou direto para Las Palmas, onde o iate havia sido levado. Por todos os relatos, ela estava inconsolável com a perda de seu pai. No dia seguinte à sua morte, ela foi encarregada de fazer um discurso emocionado à imprensa mundial, reunida no cais.

Logo se descobriu que Robert Maxwell havia invadido o fundo de pensão do Mirror Group de 440 milhões de libras (US$ 583 milhões) como parte de um esquema para inflar artificialmente o preço das ações da empresa às custas de 32.000 de seus funcionários.

A família Maxwell e o governo britânico foram deixados para pegar os pedaços - o último acabou pagando US$ 132 milhões) para um resgate do fundo. Em junho de 1992, dois dos filhos de Robert, Ian e Kevin, foram presos e acusados ​​de fraude. Eles foram finalmente absolvidos em janeiro de 1996.

Enquanto a culpa de seu pai era óbvia para a maioria das pessoas, Ghislaine Maxwell continuou a defendê-lo. "Ele não era um vigarista", ela disse a Edward Klein, da Vanity Fair, no início de 1992. "Um ladrão para mim é alguém que rouba dinheiro. Eu acho que meu pai fez isso? Não. Eu não sei o que ele fez. Obviamente, algo aconteceu. Ele colocou no próprio bolso? Ele fugiu com o dinheiro? Não. E essa é a minha definição de bandido".

Enquanto o resto de seus irmãos aceitaram que a morte de Robert Maxwell foi um acidente ou suicídio, sua filha mais nova insistiu que ele deve ter sido assassinado.

Apesar de seus protestos, as consequências do escândalo da pensão Mirror fizeram do Reino Unido um lugar menos que acolhedor para ela. Em novembro de 1992, foi relatado que ela havia comprado uma passagem apenas de ida para Nova York.

Alguns anos depois, o relacionamento de Epstein com Maxwell seria examinado por todos os jornalistas da cidade.

As atrocidades de Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell

Em 2005, os pais de uma menina de 14 anos disseram à polícia que Epstein havia molestado sua filha, e três anos depois ele recebeu uma sentença de 18 meses de prisão. Após sua libertação, as acusações contra ele começaram a se tornar uma bola de neve. Ele foi acusado de administrar uma "vasta rede" de garotas para sexo.

Ele foi preso novamente em 2019 sob a acusação de tráfico sexual e morreu em sua cela de prisão pouco mais de um mês depois. Inevitavelmente, o foco das autoridades se voltou para Ghislaine Maxwell.

Como seu pai, Epstein era um homem extremamente rico de origem humilde - no caso dele, um bairro da classe trabalhadora no Brooklyn. O relacionamento de Ghislaine Maxwell com ele foi, sem dúvida, mutuamente benéfico. Ela poderia apresentá-lo a seus amigos ricos e poderosos; ele, por sua vez, tinha o capital para financiar o tipo de estilo de vida que ela esperava.

Vic Morrow: a história trágica do ator que morreu no set de filmagem

Durante o julgamento, além de enfatizar a proximidade da dupla, os promotores observaram que Maxwell "não era uma pessoa particularmente rica quando conheceu Epstein".

Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell
Jeffrey Epstein com Ghislaine Maxwell - Reprodução

Certamente, depois que ela retornou a Nova York após a morte de seu pai, foi relatado que ela estava trabalhando no setor imobiliário e morando em um apartamento de US$ 2.000 por mês - um padrão de vida um pouco menos do que ela poderia estar acostumada.

Quatro são as acusações no julgamento de Maxwell relacionadas ao período 1994-97, quando a acusação afirmou que ela estava entre os associados mais próximos de Epstein e também em um "relacionamento íntimo" com ele.

Nos anos 2000, ela estava ligada a outro empresário, Ted Waitt. Mas aparentemente ela continuou trabalhando para Epstein. Em 2003, Epstein descreveu Maxwell como sua "melhor amigo" e a jornalista Vicky Ward observou que grande parte de sua vida parecia ser organizada por ela. Fotos íntimas de Maxwell e Epstein juntos divulgadas pelos promotores sugeriram que eles eram bem próximos.

Em documentos judiciais, ex-funcionários da mansão Epstein em Palm Beach a descreveram como a gerente da casa que supervisionava a equipe, cuidava das finanças e atuava como coordenadora social.

Uma governanta testemunhou que Maxwell deu à equipe um manual de instruções de 58 páginas e ordenou que falassem apenas quando falassem, evitando contato visual com Epstein. É tentador concluir que, assim como Maxwell aprendeu a apaziguar os caprichos de seu pai caprichoso e valentão, ela aplicou essas mesmas habilidades em Epstein.

Seja qual for a natureza exata de seu relacionamento, a promotoria retratou sua proximidade como um fator crucial em seu padrão de abuso - com Ghislaine Maxwell procurando e preparando vítimas para Epstein.

Em dezembro de 2021, um júri a considerou culpada de cinco das seis acusações – incluindo a acusação mais grave, a de tráfico sexual de um menor.

"Ghislaine controlava as meninas", disse Sarah Ransome, que diz ter sido abusada por Epstein, ao programa da BBC. "Ela seria aquela que colocaria todas as garotas em xeque. Ela sabia do que Jeffrey gostava... isso foi muito mais um esforço conjunto". 

Debbie Harry quase morta por Ted Bundy e outros causos creepy de Hollywood

Em julho de 2020, ela foi presa em sua mansão isolada no estado americano de New Hampshire. Alguns meses depois, surgiu para surpresa geral que ela havia se casado com um CEO de tecnologia chamado Scott Borgerson.

Testemunhas asseguraram que Maxwell facilitou e às vezes participou dos abusos, aproveitando-se das vítimas, que anteriormente lhe diziam terem se sentido "especiais".


No LIVE IS DEAD! Fernanda Soares e Ademir Correa chegaram a destrinchar ainda mais o caso. Confira 👇