Hollywood Forever TV
Twitter Hollywood Forever TVYoutube Hollywood Forever TVInstagram Hollywood Forever TV

Quentin Tarantino | Os 10 melhores monólogos do diretor

Quentin Tarantino entrega monólogos com maestria. Quais são os melhores?

@nic_bastos | Publicado em 07/12/2021, às 17h02

Monólogo de Kill Bill - Reprodução
Monólogo de Kill Bill - Reprodução

Quentin Tarantino é um diretor conhecido por ser um grande mestre em escrever diálogos rápidos entre seus personagens autênticos, que fogem do comum e se tornam memoráveis. Mas nos filmes de Tarantino, outro aspecto costuma ser tão atraente quanto as conversas entre mais de uma pessoa: os monólogos.

👉 ASSINE NOSSA NEWSLETTER 👈

Foi pensando nisso que o site Screenrant resolveu rankear os monólogos mais cativantes da carreira de Quentin Tarantino. A lista inclui desde Samuel L. Jackson armado recitando a Bíblia a um Christopher Walken explicando o significado de um relógio de ouro durante a guerra. Olha só:

10. Like a Virgin - Cães de Aluguel (1992)

Durante os títulos de estreia de Tarantino, Cães de Aluguel (1992), seu personagem secundário, Sr. Brown, interpretado por ele mesmo, começa a explicar sua visão única do sucesso da Madonna, "Like a Virgin".

9. O que aconteceu com o filho do general? - Os oito odiados (2015)

Major Warren - interpretado por Samuel L. Jackson, o entregador de muitos monólogos de Tarantino - conta ao ex-general confederado Smithers, de Bruce Dern, o que aconteceu no último dia de vida de seu filho.

8. Aldo Raine recrutando "Bastardos" - Bastardos Inglorios (2009)

O tenente Aldo Raine alinha os “Bastardos” e explica que precisa de oito soldados judeus americanos para ir atrás das linhas inimigas. Com muito carisma e um sotaque sulista perfeito, Brad Pitt apresenta um monólogo verdadeiramente marcante.

7. Loucura de vingança - Kill Bill: Volume 2 (2004)

O segundo volume de Kill Bill abre com a noiva em seu caminho para matar Bill, falando diretamente para a câmera para recapitular os eventos do primeiro volume. A entrega violenta de Uma Thurman imediatamente cativa o público em sua busca por vingança.

6. Colapso de Rick - Era Uma Vez... Em Hollywood (2019)

O personagem Rick, interpretado por Leonardo DiCaprio, impressiona tendo um colapso em seu trailer, onde fica explosivo e diz coisas como: "Você se envergonhou daquele jeito na frente de todas aquelas malditas pessoas!"

5. Ezekiel 25:17 - Pulp Fiction (1994)

O personagem de Samuel Jackson recitou a versão modificada da passagem bíblica Ezequiel 25:17 do filme de artes marciais Karate Kiba. O ator entrega este monólogo duas vezes no filme, em um momento do início e durante o assalto ao jantar no final do filme.

4. Cena do jantar - Django Livre (2012)

O segundo ato de Django Livre culmina em uma das cenas de jantar mais tensas da história do cinema. Quando Stephen percebe um olhar entre Django e Broomhilda, ele avisa Calvin Candie que eles estão em conluio. Calvin retorna à mesa de jantar com uma caveira de escravo e um martelo. Ele usa do racismo para justificar a escravidão em uma cena de prender a atenção de qualquer um.

3. Herança siciliana - Amor À Queima Roupa (1993)

Sabendo que morrerá de qualquer maneira, Clifford provoca o mafioso da produção sobre sua herança siciliana. O retrato quase caricatural de Christopher Walken de um mafioso italiano é um contraste histérico para Dennis Hopper, que entrega muito bem o monólogo.

2. "Jew Hunter" - Bastardos Inglórios (2009)

A sequência de abertura de Bastardos Inglórios é uma das cenas mais aclamadas de Tarantino. O coronel Hans Landa chega a uma fazenda de laticínios em busca de refugiados judeus e Tarantino usa a tensão da bomba Hitchcockiana por baixo da mesa para estabelecer desde o início que há refugiados judeus escondidos sob o assoalho.

O fazendeiro conhece Landa pelo apelido de “Jew Hunter”, e Landa explica seu apelido com uma comparação sinistra de falcões e ratos. Essa cena imediatamente rendeu a Landa um lugar nas fileiras dos maiores vilões do cinema de todos os tempos.

1. O relógio de ouro - Pulp Fiction (1994)

Antes de dar a Butch o relógio de ouro de seu pai, o capitão Koons conta tudo sobre o heroísmo de seu pai durante a guerra. O monólogo dá uma guinada surpreendente quando ele explica que, quando eles foram capturados como P.O.W.s, seu pai escondeu o relógio "no único lugar que ele sabia que poderia esconder algo: sua bunda".


Novo LIVE IS DEAD! na área 💥 Desta vez, @fernandasoares e @ademircorrea conversam sobre comfort things. Dá o play!