Hollywood Forever TV
Twitter Hollywood Forever TVYoutube Hollywood Forever TVInstagram Hollywood Forever TV

“Ele gritava: Não te contratei para ser feia”, diz Salma Hayek sobre abuso de Harvey Weinstein em Frida

Salma Hayek relembra assédio de Harvey Weinstein na cinebiografia de Frida Kahlo

@chboskyyy | Publicado em 04/11/2021, às 10h26

Salma Hayek em "Frida" / Harvey Weinstein em julgamento em Nova York - Divulgação | Getty Images
Salma Hayek em "Frida" / Harvey Weinstein em julgamento em Nova York - Divulgação | Getty Images

Era 2002 quando Salma Hayek trabalhou com Harvey Weinstein em Frida. E foi apenas 15 anos depois, em 2017, em meio a ascensão do movimento #MeToo, que a atriz revelou o assédio sexual que sofreu do ex-produtor. Agora, ao The Guardian, Hayek volta a refletir sobre os comportamentos abusivos de Weinstein.

No drama biográfico que rendeu à Hayek uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz, ela interpretou a artista mexicana Frida Kahlo. A caracterização, de acordo com Hayek, enfureceu Weinstein por torná-la “não atraente”. Ela ainda contou que ele é um homem que se tranquiliza sabendo que pode destruir as mulheres.

👉 ASSINE NOSSA NEWSLETTER 👈

“Ele me ligava e gritava: ‘Por que você tem uma monocelha e bigode? Eu não contratei você para parecer feia!’. E eu pensava: ‘Você nunca viu uma foto de Frida Kahlo?’. Se um homem estivesse interpretando [o escritor francês] Cyrano de Bergerac, ele não diria: ‘E esse nariz?’”.

O primeiro relato da atriz veio em um artigo publicado no The New York Times em 2017. Ela afirmou que sempre se esquivava das tentativas de assédio, incluindo pedidos de massagens e sexo oral. “E com cada recusa, vinha a raiva maquiavélica de Harvey”, relatou.

+ As 50 piores sequências de todos os tempos, segundo a crítica
+ Britney Spears culpa mãe por tutela abusiva de Jamie Spears
+ Quentin Tarantino vai leiloar cenas inéditas de "Pulp Fiction"

Atualmente, Harvey Weinstein cumpre 23 anos de prisão em Nova York. Ele foi condenado por estupro e assédio no ano passado e segue declarando sua inocência. Novas acusações surgiram recentemente. Sua queda é considerada uma grande vitória para o movimento #MeToo.

Já escutou nosso podcast LIVE IS DEAD? O tema da semana é HAVEN'S GATE