Hollywood Forever TV
Twitter Hollywood Forever TVYoutube Hollywood Forever TVInstagram Hollywood Forever TV

O Exorcista: desmaios no cinema, terror nos bastidores e mais curiosidades assustadoras

@isafrasinelli | Publicado em 30/10/2021, às 14h33

Imagem O Exorcista: desmaios no cinema, terror nos bastidores e mais curiosidades assustadoras

Pessoas desmaiando, passando mal ou deixando a sessão no meio do filme. Foi assim que O Exorcista foi recebido nas salas de cinemas norte-americanas em 1973. O filme é considerado até hoje um dos maiores clássicos do terror e continua despertando curiosidade não só por sua trama, como também por todo o mistério que cerca os bastidores macabros do projeto.   

👉 ASSINE NOSSA NEWSLETTER 👈

No clima do mês do horror, HFTV reúne em um só lugar as mais assustadoras histórias do backstage do longa de William Friedkin

TERROR DO PÚBLICO 

Quase 50 anos atrás, o filme impactou o público antes mesmo de ser lançado, já que o primeiro trailer do projeto foi alterado por ser considerado “muito assustador”. A prévia original trazia cenas em preto e branco com uma trilha intensa, enquanto apresentava o comportamento sinistro de Regan (Linda Blair), que entrou para a história como a famosa jovem possuída pelo demônio. 

Se o medo surgiu entre os espectadores por conta do trailer, já é fácil presumir a grande comoção do projeto nos cinemas. Este foi o primeiro longa a ser exibido simultaneamente em diversas salas nos Estados Unidos e, como já mencionamos, muitas pessoas não conseguiram sequer descobrir a conclusão da história, pois fugiam dos cinemas durante a exibição.

Assim, multidões curiosas foram atraídas pelo mundo inteiro para descobrir como o terror havia sido retratado em O Exorcista. No Reino Unido, por exemplo, a exibição do filme chegou a ser proibida por alguns conselhos municipais. Isso gerou a criação do Exorcist Bus Trips, viagens organizadas para levar os britânicos para assistir o longa em outras localidades permitidas (via Daily Mail). 

No Brasil, o impacto não foi diferente. O turismo em cidades no interior de São Paulo também foi mobilizado para que a população pudesse assistir à novidade na capital, um dos poucos lugares do estado onde haviam salas de cinema. Também é importante lembrar do contexto em que o filme chegava por aqui: em plena  ditadura militar. 

Em julho de 1974, o Jornal do Brasil anunciou que O Exorcistapassaria pela censura. O projeto acabou sendo liberado ao público sem cortes porque um padre, representando o Arcebispo de Brasília, presenciou uma sessão e afirmou que “ali não tinha nada de muito profano”. 

A estreia comercial aconteceu em novembro. As primeiras sessões repetiram as experiências internacionais, já que foram marcadas por empurra-empurra e desmaios. Ainda de acordo o Jornal do Brasil, uma adolescente de 16 anos tentou entrar em uma das exibições, burlando a censura de 18 anos, e acabou caindo e sendo pisoteada pela multidão. “Está todo mundo ouriçado”, disse um espectador ao jornal.

A confusão e as filas também foram justificadas pelo medo da censura voltar atrás e acabar cortando as partes mais emocionantes do filme. Uma reportagem do mesmo jornal afirmava que as pessoas “queriam ser as primeiras a assistir ao filme para que o impacto não fosse aliviado com o passar dos dias” (via A Escotilha).

A HISTÓRIA: DE ONDE VEIO E QUEM ESTÁ POR TRÁS?

Mas, afinal, de onde veio essa história que mobilizou tantas pessoas nos anos 1970 e continua atraindo novos espectadores até hoje? O Exorcista é baseado no livro homônimo de William Peter Blatty (1971), que narra a mundialmente famosa história da possessão de Regan MacNeil. Foi inspirado em um caso real de um exorcismo que ocorreu em 1949, de um jovem conhecido pelo pseudônimo Robert Mannheim (via Aventuras na História).

William Blatty assumiu o roteiro e a direção ficou por conta de William Friedkin, que acabara de ganhar o Oscar de Melhor Diretor por Operação França (1971). Antes disso, outros grandes mestres do cinema foram cotados, como Stanley Kubrick, que negou por estar envolvido em outros projetos. Mark Rydell (Os Cowboys) também foi convidado para o cargo, mas afirmou ser contra a “violência infantil” exibida no filme. Arthur Penn (Bonnie e Clyde) também é mencionado entre os cineastas que recusaram o convite. 

Apesar da grandiosa recepção do público e do impactante trabalho do elenco, ninguém esperava o status que a crítica daria ao filme. Seguindo as conquistas de O Bebê de Rosemary em 1969, a Academia lembrou do terror em 1974 e premiou O Exorcista com o Oscar nas categorias de Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Mixagem de Som. O filme ainda foi indicado em outras oito categorias, como a de Melhor Atriz Coadjuvante pela interpretação de Linda Blair. 

UM SET TÃO POSSUÍDO QUANTO REGAN...

Há diversas histórias tão assustadoras quanto os próprios filmes de terror, como já listamos no HFTV. E com O Exorcista não é diferente. William Friedkin revelou que não acreditava tanto em histórias sobrenaturais, mas retratando forças ocultas em seu projeto, provavelmente sentiu ser melhor prevenir do que remediar. Ele chegou a consultar o padre jesuíta Thomas Bermingham sobre a possibilidade de exorcizar o set de filmagens. O pároco se recusou a princípio, mas acabou “abençoando” o local e a equipe. 


Outros mistérios bizarros ainda cercam o espaço onde as gravações ocorriam. Um  incêndio inexplicável destruiu quase todo o set, mas um cômodo em específico não foi afetado pelo fogo (sinta a ironia macabra): o quarto em que acompanhamos a maior parte das cenas em que Regan está possuída. Além de assustar ainda mais os envolvidos, o incêndio misterioso causou um atraso no cronograma do projeto. Isso fez com que as filmagens, que deveriam durar 85 dias, chegarem a um total de 200 dias de produção. 

TERROR NO ELENCO

Se o set estava amaldiçoado, nunca saberemos (mas sentimos que sim). O que temos ainda a apresentar são outras informações assustadoras envolvendo o elenco de O Exorcista. Alguns acidentes bizarros marcaram as gravações, como o trauma vivido por Ellen Burstyn. Você se recorda de um momento em que Chris MacNeil é arremessada no chão durante o filme? O grito de dor da intérprete da personagem é real! A atriz sofreu uma lesão permanente na coluna vertebral enquanto gravava a cena em questão. 

Além de incidentes, também ocorreram mortes envolvendo o elenco. Jack MacGowran, por exemplo, foi o primeiro a morrer dentro e fora da trama — ele faleceu por complicações de uma pneumonia algumas semanas após a gravação da morte de sua personagem. 

Após seu personagem falecer na história, o ator morreu semanas após gravar a cena, vítima de complicações decorrentes de uma pneumonia. Além de Jack, outras nove pessoas ligadas ao longa também faleceram de forma suspeita, como Vasiliki Maliaros, avô de Linda Blair, um dos especialistas em efeitos especiais e ainda um segurança do estúdio. 

Entre os que saíram sãos e salvos do projeto (risos de nervoso), outro mistério cerca o elenco: Paul Bateson, técnico de raio-x e figurante que faz uma breve aparição no filme, é suspeito de ser um serial killer na vida real. O ator foi condenado pelo assassinato de Addison Verrill e a polícia americana acredita que ele pode estar por trás de mais seis casos de homicídio. Contudo, até hoje não conseguiram provar a participação dele nos outros crimes. 

LINDA BLAIR E OS GEMIDOS ATERRORIZANTES

E é impossível falar sobre o elenco sem mencionar o trabalho de Linda Blair como Regan McNeil! Entre algumas curiosidades que cercam a participação marcante da atriz no projeto, estão os sons desumanos que sua personagem faz quando está possuída. Não foi a estrela em sua juventude que reproduziu tais barulhos macabros, os gemidos na verdade foram feitos a partir da mixagem de gritos de porcos. 

Já quando o demônio Pazuzu decidia falar pela criança na trama, quem comanda tal voz é Mercedes McCambridge, atriz conhecida por participar de diversos filmes entre os anos 50 e 60. A estrela não teve seu nome colocado nos créditos e, por isso, chegou a processar a Warner Bros. Posteriormente, seu nome foi incluído no projeto. 

Outro fato envolvendo Blair é que uma de suas cenas clássicas quase não entrou em O Exorcista: quando a jovem possuída gira sua cabeça em 360º. O autor e roteirista William Peter Blatty não queria que o momento entrasse na produção, mas o diretor insistiu em manter o registro - que acabou se consolidando como um dos clássicos do terror!

via GIPHY

Curtiu descobrir todos esses detalhes envolvendo o filme? Então fique com esse vídeo que exibe alguns registros raros dos bastidores de O Exorcista:

LIVE IS DEAD! #4 no ar e episódio da semana é Filmes Que Destruíram Vidas — escute a gente no Spotify!